Grupo proprietário da UNP suspende negociação com Ser Educacional e será comprado pelo Ânima

A negociação entre o Grupo Laureate e o Ser Educacional não vai progredir. É o que afirmou, através de nota, o grupo proprietário da UNP ao Valor Econômico. O Laureate deverá ser vendido ao Ânima por valor superior ao que era negociado com o Ser.

De acordo com a publicação, o Grupo Laureate informou nesta quarta-feira que pretende rescindir seu contrato de transação com a Ser o mais rápido possível e entrar em um contrato vinculativo definitivo com a Ânima. A oferta da Ânima é cerca de R$ 500 milhões superior à da Ser Educacional, considerando o preço da ação da companhia de Janguiê Diniz, cotado no pregão de ontem.

Além disso, o Laureate informou que há também um ganho R$ 200 milhões do preço de compra que a Laureate poderia receber com base em métricas que poderão ser alcançadas, assim como o Ânima ainda pagará a taxa rescisória de R$ 180 milhões devida ao Ser.

A negociação da Laureate com o Ser Educacional seria de aproximadamente R$ 3,8 bilhões. O acordo de compra era referente a 100% do capital social e votante de todos os ativos, com o Ser Educacional pagando R$ 1,7 bilhão em dinheiro, além de assumir uma uma dívida líquida estimada em R$ 623 milhões. Adicionalmente, a Laureate receberia ações equivalentes a 44% da nova companhia.

Na negociação, contudo, havia a previsão de que, caso houvesse uma proposta superior antes da aprovação do negócio pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o Grupo Ser teria a preferência de igualar qualquer eventual proposta. Caso não houvesse interesse, receberia R$ 180 milhões a título de multa contratual.

A Laureate Brasil tem presença em sete estados e 13 cidades, com 50 campi universitários e 267 mil estudantes. Os ativos incluem as unidades do Centro Universitário FMU e da Universidade Anhembi Morumbi (UAM), em São Paulo; os Centros Universitários Ritter dos Reis (UniRitter) e Fadergs, no Rio Grande do Sul; a Universidade Salvador (UNIFACS), na Bahia; a Universidade Potiguar (UnP) no Rio Grande do Norte; o Centro Universitário dos Guararapes (UniFG), em Pernambuco; a Faculdade Internacional da Paraíba (FPB), na Paraíba; o Centro Universitário IBMR (IBMR) no Rio de Janeiro, dentre outras.

A Ânima Educação cresceu na pandemia, ampliando o alcance de alunos por ensino remoto. Em 2019, a holding apresentou receita líquida de R$ 1,1 bilhão e lucro bruto de R$ 499,5 milhões.

Fonte: Tribuna do Norte

Postado em 21 de outubro de 2020