Capcom confirma cyber-ataque; hackers começam a liberar informações

A Capcom confirmou no último dia 16 de novembro que foi vítima de um ataque hacker que resultou no roubo de informações sigilosas. De acordo com a empresa, os criminosos responsáveis pelo ato são conhecidos como Ragnar Locker, que teria inclusive já entrado em contato com a empresa exigindo dinheiro para devolver os dados roubados de seus servidores.

O que teria sido roubado
Até o momento, a Capcom admitiu que 1TB de informações pessoais (como endereço, telefone, fotos e número de passaporte) de funcionários, ex-funcionários e até quem foi fazer entrevista na empresa estariam em posse dos hackers. Também se assume que o Ragnar Locker está com importantes relatórios financeiros da big N, que ao todo estima que teve copiado de seu sistema cerca de 350 mil itens de informações sigilosas como um todo.

E dentre estes itens, estariam, por exemplo, 134.000 itens do suporte ao cliente do Japão, 14.000 itens da loja norte-americana Capcom e 4.000 itens de seu site Esports. As informações ainda incluem nomes e e-mails e, no caso do Japão, endereços e números de telefone.

A Capcom disse que o vazamento de dados em potencial também inclui 40.000 itens contendo os nomes, endereços e informações acionárias de seus acionistas, bem como 14.000 itens de RH e informações corporativas confidenciais relacionadas a vendas, parceiros de negócios e desenvolvimento.

Resgate e ameaça
Embora a informação do cyber-ataque só tenha sido confirmada nesta semana, a notícia já circulava na imprensa há dez dias, quando se informou inclusive que um resgate de US $11milhões em bitcoin teria sido exigido. E como todo sequestrador, o grupo fez ameaças: caso a quantia não fosse entregue, informações começariam a ser liberadas. E de acordo com o VGC, já existem dados de clientes circulando pela web.

O que está sendo feito
A polícia toma conta do caso desde segunda-feira (16). Já a Capcom resolveu rever seus sistemas, e chamou uma empresa de segurança terceirizada para inspecioná-los.

Com relação aos clientes japoneses que foram lesados, A Capcom disse que começou a entrar em contato estas pessoas para explicar o ocorrido e dizer o que está sendo feito. De acordo com informações da empresa, nenhum dos dados em risco contém informações de cartão de crédito.

Ainda assim, a empresa criou uma linha telefônica exclusiva para o Japão. Já os clientes da América do Norte são aconselhados a entrar em contato com o SAC local para coletar informações mais atualizadas.

“A Capcom gostaria de reiterar suas mais profundas desculpas por quaisquer complicações ou preocupações causadas por este incidente”, disse a empresa em um comunicado.

Fonte: Observatório de Games

Postado em 19 de novembro de 2020