Polícia desmantela serviço de trapaças em jogos que faturou US$ 76 milhões

A polícia chinesa fechou nesta semana um serviço de fornecimento de trapaças em jogos eletrônicos que, de acordo com a investigação, tinha um faturamento de US$ 76 milhões. 10 pessoas foram presas na operação, que aconteceu na cidade de Kunshan, e contou com a participação da Tencent, gigante dos games cujos títulos, muitas vezes, eram alvo das operações da empresa.

A plataforma, alvo da operação Chicken Drumstick (gíria em inglês para “coxinha de galinha), oferecia uma plataforma de assinaturas de trapaças para 17 jogos competitivos, incluindo títulos de celular, como Call of Duty Mobile, e para PC, como Overwatch. Os valores iam de US$ 10, aproximadamente R$ 60, por dia até US$ 200 por mês, cerca de R$ 1.150, de acordo com o título escolhido pelos usuários.

A operação era citada como a maior do mundo no ramo das trapaças para jogos online, pelo menos em faturamento. No local onde a plataforma funcionava, a polícia também apreendeu dezenas de computadores que eram usados para cobrança e desenvolvimento dos cheats, além de diversos carros de luxo que servem como amostra do poder financeiro dos envolvidos, com bens que somariam um valor total de US$ 46 milhões.

De acordo com as autoridades, o grupo não possuía barreiras internacionais, operando em dólar e atendendo clientes em todo o mundo. Os detalhes sobre o funcionamento do serviço, a lista de títulos com trapaças disponíveis e, principalmente, as acusações que vão cair sobre os suspeitos não foram divulgados pela polícia chinesa, que disse seguir trabalhando no caso.

Não é a primeira vez que uma operação voltada à trapaça em jogos online cai na mira de oficiais chineses. A cooperação com grandes empresas como a Tencent, citada nas recentes prisões, bem como o crescimento no faturamento de títulos competitivos online, faz com que os cheats sejam um motivo de atenção tanto para desenvolvedores, que precisam encontrar maneiras de impedir a utilização destes métodos em seus games, quanto para as autoridades, que tentam coibir a prática por meio de prisões e apreensões de equipamentos.

Dados citados pela BBC dão conta de que um em cada três jogadores admitiram, em pesquisa, já terem utilizado trapaças em jogos online. Enquanto os números de competições e prêmios pagos cresce amplamente, assim como a realização de torneios remotos devido à pandemia, que impossibilitou a realização de eventos presenciais, os cheats se tornaram um problema grave que vem sendo encarado com cada vez mais seriedade pelos membros da indústria.

Fonte: BBC

Postado em 31 de março de 2021