‘Valheim’: Como game de vikings desenvolvido por 5 pessoas se tornou o mais vendido do mundo

Com um calendário repleto de grandes lançamentos e franquias milionárias, bancadas por estúdios multinacionais, não é fácil para um game independente se destacar. Desenvolvido por uma equipe de cinco pessoas, “Valheim” é uma exceção gigantesca.

Lançado no último dia 2 de fevereiro em acesso antecipado, o que significa que nem está pronto ainda, o jogo que mistura o gênero de sobrevivência com lendas vikings lidera a lista de mais vendidos na principal loja digital do mundo, a Steam, desde então.

Já são oito semanas consecutivas no topo, com mais de 6 milhões de cópias vendidas e 96% das mais de 180 mil críticas consideradas “esmagadoramente positivas” entre os usuários.

Tudo isso se traduz ainda em outra grande marca. No final de fevereiro, com mais de 500 mil pessoas jogando ao mesmo tempo, o game é quinto no ranking de jogadores simultâneos da Steam – superando gigantes como “Fallout 4” e “Grand Theft Auto V”.

Mas o que é ‘Valheim’?
Em sua base, “Valheim” é um jogo do gênero de sobrevivência em mundo aberto na terceira pessoa. Ou seja, o jogador cria seu próprio guerreiro viking e depois o controla de uma perspectiva exterior, com uma câmera sobrevoando o personagem.

Depois de ser lançado em um planeta místico apenas com alguns trapos e seus punhos como defesa, deve provar que é digno de se juntar aos deuses nos salões lendários do Valhala. Tudo muito nórdico.

Nesta terra desconhecida, o guerreiro deve reunir recursos como comida e materiais de construção – madeira, pedra e metais, por exemplo – para erguer sua casa e lutar com seres folclóricos, espalhados por cinco diferentes biomas, um mais desafiador que o outro.

Simples e acompanhado
O jogo conquistou o público apostando principalmente na simplicidade. O gênero de sobrevivência é um dos mais populares entre o público de computadores, mas pode ser considerado um pouco hostil para perfis mais casuais.

Com uma mecânica menos complexa e punitiva, “Valheim” mantém sua comunidade mais engajada, pelo menos por tempo suficiente para superar as barreiras iniciais.

“Acho que tentamos diminuir um pouco os sistemas de sobrevivência, como você não ser castigado por não comer ou beber e coisas assim”, afirma em entrevista ao G1 o co-fundador do estúdio Iron Gate, Henrik Tornqvist.

“Você pode fazer isso, vai ganhar um bônus, mas é mais uma recompensa que uma punição. Acho que lutamos para fazê-lo mais acessível para as pessoas.”

Outro ponto bem recebido é a conectividade com outros jogadores. Mesmo no acesso antecipado, “Valheim” dá aos usuários a oportunidade de entrar nos mundos de amigos, para enfrentarem juntos os desafios – algo menos comum no gênero.

“‘Valheim’ é um jogo focado em cooperação. Você o joga com seus amigos, ao invés de contra eles, o que é meio que o padrão nos outros jogos do gênero populares por aí agora”, diz o sueco.

Fonte: G1

Postado em 1 de abril de 2021

Receba Novidades