Flamengo perde mais uma no CBLoL e pressão da torcida se intensifica

Uma equipe habilidosa e que lidera um campeonato com folga pode entrar em crise?

Falar “crise” já dá calafrios para qualquer torcedor do Flamengo. Não bastasse as mudanças acontecendo no futebol, também no League of Legends a situação do time passou de confortável para tensa em questão de duas semanas. O rubro-negro carioca liderava com tranquilidade o CBLoL com nove vitórias e uma derrota.

Então, na semana passada, o Flamengo perdeu suas duas partidas do final de semana, contra RED Canids e Vorax, equipes que estão na zona de classificação para os playoffs. Neste sábado (17), em uma rodada que prometia um clima mais “leve” nos bastidores e entre a torcida, já que o Flamengo enfrentaria duas equipes que estão entre as últimas colocadas, o baque veio com a derrota para uma INTZ, que venceu apenas um dos últimos seis jogos.

Jogadores ficaram silenciosos no Twitter, técnico publicou tweet e apagou, manager deu coletiva mostrando insatisfação e a torcida transformou um post de derrota em caldeirão: quase 900 comentários criticando jogadores, o trabalho feito e a perda da liderança.

Não é novidade para os torcedores flamenguistas que o time pode ter uma síndrome de “cavalo paraguaio”, termo utilizado no futebol para fazer referência a uma equipe que começa extremamente forte um campeonato e no momento que mais importa, perde.

Aqui, dá pra lembrar do Flamengo da Primeira Etapa de 2019, que venceu 23 dos 24 jogos até chegar na final e ser superado pela INTZ por 3-2. Ou mesmo da Etapa passada, na qual chegaram a conquistar 13 vitórias e apenas uma derrota na fase de pontos até perder todos os jogos das duas últimas rodadas e eventualmente ser eliminada pela paiN Gaming por 3-2 nas semifinais.

Mas o que me chama mais atenção é o impacto disso nos jogadores. No que falam ou deixam de falar.

O Flamengo é imenso, e sua torcida é apaixonada. Nunca antes vimos um fenômeno de pressão em esports no Brasil como os flamenguistas conseguem emplacar no CBLoL, nem mesmo a paiN Gaming, que segundo o levantamento do The Enemy tem a maior torcida do país no CBLoL.

Isso porque se trata de uma torcida majoritariamente criada no futebol, que compara as modalidades, que é Flamengo acima de tudo, e como tal quer ver o melhor da equipe sempre. Antes uma vitória feia do que uma derrota extremamente disputada. Mas a cobrança excessiva e principalmente o jeito como ela está acontecendo está cobrando o seu preço em um elenco que é extremamente habilidoso, liderou com folga o campeonato até agora e encontra o seu primeiro percalço. Esta é a hora de se fazer torcedor.

Torcer é apoiar a equipe.

Torcida “Urubarons” comparece à final da Segunda Etapa 2019

Imagem: Bruno Alvares/Riot Games
E não algumas das mensagens que cito abaixo, retiradas de posts dos torcedores do Flamengo no Twitter.

“(Esses quase 1000 comentários) é graças aos filhos das * do Ranger, RedBert, Tutsz e Netuno”
“Time horroroso, vocês envergonham a torcida que tem, que decaimento lamentável”
“Vamos cair nas quartas”
“Estão perdendo todas no CBLoL, cadê a diretoria? Omissos, incompetentes, se for para continuar assim, melhor saírem dos esports e não sujar mais o nome do Flamengo”
“Chega a dar desgosto saber que esses jogadores representam o Flamengo no CBLoL, passando a mesma vergonha de sempre”
Não me matem, torcedores rubro-negros, mas eu sei que vocês são melhores do que isso. O único lado que não sei é ser flamenguista, mas já vi vocês lotarem a Jeunesse Arena para ver o Flamengo ser campeão do CBLoL em 2019, vi vocês levantarem bandeiras e criarem gritos, o apoio de vocês nas vitórias e na fase boa. Parabenizando os jogadores, brigando a cada segundo para vencer os duelos de # de torcidas no CBLoL.

E o que vocês estão fazendo é silenciando os jogadores e pressionando pessoas que, confiem em mim, já se cobram o suficiente.

Ranger é um grande exemplo disso. Construiu sua carreira timidamente no começo, mas com o bicampeonato do CBLoL pela KaBuM em 2018 foi jogado ao estrelato no CBLoL e dominou a jungle por um bom tempo, até a ascensão de CarioK.

Independente do momento, bom ou ruim, Ranger sempre foi um jogador que cumpriu com sua palavra. Provocava adversários antes de qualquer jogo e estava pronto para responder em caso de vitória ou derrota. Puxa a responsabilidade quando o mais fácil sempre foi se omitir e não correr o risco de ser feito de chacota ou xingado por torcedores.

Mesmo Ranger não suportou a pressão, publicando o vídeo tão comentado no final de semana passada no qual disse que “Pra quem não acredita eu quero que tomem no **, nem eu nem ninguém precisamos de vocês”, de forma resumida.

Hoje, após a derrota para uma INTZ que estava em nono lugar, com três derrotas seguidas e estreava dois jogadores do Academy em seu time principal, o Flamengo perdeu. Certamente diversos torcedores esperaram ansiosamente posts dos jogadores para poder compartilhar sua insatisfação.

Mas Ranger não publicou nada.

Nem Tutsz. Nem RedBert. Ou Netuno. Ou Parang.

Quem postou algo foi o técnico Halier, no qual citava um panorama tenso dentro do jogo rubro-negro. “Não sei o porquê da gente não respeitar rotação, não respeitar turnos de play, não respeitar countdown de skill. Às vezes parece que a gente só tá fazendo o que quer”. O post foi apagado pouco tempo depois.

Na coletiva pós-jogo, nenhum jogador. O representante foi o manager Davisito, que também compartilhou da frustração atual no elenco do Flamengo. “Sabemos que para a torcida o que importa é só a vitória, independente de como ela vier. Sabemos o peso que é representar o Flamengo e vestir essa camisa. Nem a moça que trabalha na copa está satisfeita com o nosso desempenho atual, aqui é Flamengo e todos os nossos jogadores já foram campeões. Temos que pegar essa insatisfação e, como diz o Bernardinho (técnico de vôlei), transformar isso em sangue para voltarmos a vencer”.

A reta final para a Taça do CBLoL só começou

Há pouco, quase três horas após a derrota para a INTZ, Ranger se posicionou de maneira diferente do usual, escrevendo um texto maior via TwitLonger. “Não podemos deixar a atmosfera e a confiança entre nós mesmos serem abaladas”, disse o Caçador. “Não vamos agradar todo mundo, não vamos jogar da maneira que as pessoas esperam às vezes, e está tudo bem desde que a mentalidade do grupo esteja alinhada e a ambição fale mais alto que as críticas”.

E falando em crítica, mudo o sentido da palavra para falar que o Flamengo neste momento vive um momento crítico no campeonato. Ainda está na segunda posição e é postulante a uma vaga direta para as semifinais. Derrotas são ótimos aprendizados para uma equipe que perde muito pouco, como é o caso do Flamengo. Parece que a equipe entende o valor que tem uma derrota, mas os fãs, sempre mais passionais do que racionais, obviamente vão cobrar a vitória acima de tudo.

Os planos não vão mudar. O Flamengo não vai demitir qualquer jogador no meio da Etapa. Trazer um jogador do Academy (na imensa maioria dos casos) não vai resolver o problema da equipe na reta final do campeonato mais importante do ano. Pode ser assim no futebol, mas não estamos falando de futebol, estamos?

Lembram do “projeto” que virou meme quando brTT saiu do Flamengo?

Lembram que a torcida criticou o jogador por não confiar? Agora é a própria torcida que não está confiando e pior, colocando tudo em xeque no momento mais importante do campeonato. No meio do caminho, quando você já está com a rota traçada para um objetivo final, é impossível mudar de curso totalmente. O melhor é ajustar e aparar algumas arestas.

Com o Flamengo, é claro, tudo é motivo para a palavra “crise” pelo tamanho e importância que o clube e os torcedores têm, mas “crise” é uma palavra que nasceu do próprio sentimento que torcedores passam publicamente, que a imprensa utiliza e que, no final, chega ao clube e aos jogadores.

Depende dos torcedores e dos jogadores entenderem se uma pedra no caminho vai evoluir para uma crise, porque atualmente não me parece existir nada do gênero no Flamengo. O hino do clube fala apenas sobre “vencer, vencer, vencer”, mas para isso é importante que venha antes o “Uma vez Flamengo, sempre Flamengo”.

Fonte: Enemy

Postado em 19 de julho de 2021